Revista Acontece Sul

Janelas em um Projeto de Arquitetura

em Arquitetura - segunda, 26 de maro de 2012

As janelas são verdadeiras obras de arte para os apreciadores de projetos arquitetônicos. São itens fundamentais que exigem planejamento adequado, pois, além do valor estético, devem prezar pela luminosidade, aeração dos espaços, privacidade, segurança e diversos outros aspectos. A enorme variedade de tipos de janelas existentes hoje no mercado permite a integração total desses recursos com o ambiente. Muitas acabam por entrar como peças chaves, para arrematar o projeto, dando-lhe o toque final.
Em qualquer tipo de ambiente, residencial ou comercial, são elas que mais proporcionam profundidade visual e sensação de espaço. A vista de uma janela, por mais comum que seja, amplia o campo da visão, pois o espaço que fica livre do olhar, cria a impressão de ambiente aumentado. É importante considerarmos ainda que esses recursos arquitetônicos fixados às paredes fazem diferença até mesmo na qualidade de vida das pessoas que frequentam o local, já que a ventilação adequada colabora com o bem estar, tanto físico quanto mental.
Para entender um pouco mais sobre janelas, algumas particularidades sobre esse item são interessantes e merecem ser abordadas. Existem diversos tipos, que se diferenciam entre si na forma de abertura, projeção das folhas, vedação, entre outros. Conhecer os formatos que podem ser encontrados no mercado, faz com que a escolha pelo melhor modelo seja mais acertiva. As em “L”, por exemplo, proporcionam maior entrada de luz, criando, novamente, aquela sensação de espaço da qual falamos. As basculantes permitem ventilação constante, mas parcial, enquanto as janelas conhecidas como “máximo-ar” podem garantir boa ventilação, iluminação, mas normalmente não são adequadas para quem precisa de privacidade. Já as janelas de correr poupam espaços, tanto externa quanto internamente, mas, por outro lado, a ventilação se dá em apenas metade da abertura. Esses e outros aspectos precisam ser avaliados ao se desenhar janelas em um projeto. Hoje não precisamos pensar apenas nos formatos tradicionais, podemos nos deixar levar mais pela criatividade e inovação, fugindo daquilo que já se tornou comum. Nestes casos, o papel do arquiteto e do designer de interiores torna-se ainda mais importante, pois ousar exigirá muito conhecimento técnico. Até mesmo os vidros requerem atenção, pois são elementos de destaque nas janelas. Eles são divididos em cores, espessuras, sem contar os tecnicamente mais sofisticados, que apresentam camadas diversas.
As janelas definem o ambiente e as cortinas também fazem parte dessa definição. Tais acessórios complementares controlam a intensidade da luz, garantindo proteção e mais privacidade, além de quebrarem as rígidas linhas das esquadrias. Existem milhares de soluções em cortinas, mas considere sempre os aspectos leveza e transparência antes de tomar a decisão final. Certos espaços já vêm com tecidos, cortes e formatos de cortinas pré-definidos, é necessário fazer uma leitura do local para entendê-lo. Os ambientes informais e contemporâneos, por exemplo, pedem cortinas simples, mas arrojadas. Alternativas de tecidos leves que aceitam bem esse tipo de ambientação não faltam. Um erro comum é deixar para pensar sobre as cortinas ou cortineiros somente ao término da obra, quando ambos poderiam ser planejados durante o andamento do plano gráfico.
Uma janela é tudo em um projeto, pois representa estética, design e qualidade de vida, três elementos fundamentais para uma obra de qualidade.

Comentários