Revista Acontece Sul

As cores são mágicas

em Arquitetura - quinta, 12 de abril de 2012

“Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo” (Toquinho), e a imaginação infantil ou adulta desperta para o mundo colorido, em que temos a liberdade de, num pedacinho azul do papel, ver uma linda gaivota voando no céu.
Tenho certeza que quando você leu os versos da música, imaginou um sol lindo, quentinho, aconchegante, agradável! Certeza de que cada um imaginou um tom de amarelo. Uns, mais claro; outros, mais escuro; mais leve, mais intenso.
Caro leitor, as cores são mágicas!! Elas nos fazem sentir.
Cada cor desperta na gente um pouco, ou quem sabe muito, das nossas preferências e tendências. Tudo isso acontece de uma maneira muito sutil, quase que inconsciente. Simplesmente dizemos: eu amo esse amarelo sol, ou então, prefiro os tons mais sóbrios!
Muitos aspectos podem inspirar a escolha de uma cor. Pode ser um objeto de arte, um hobby, um esporte preferido, um estilo de vida, de pensar, uma viajem, a natureza!
Cada cor expressa uma intenção, um querer, uma necessidade, a essência de cada um de nós.
Deposito nas cores uma importância muito grande na composição do todo. Por isso, priorizo o equilíbrio na composição de tons. Usufruo muito da cartela de tons neutros, fazendo com que estes predominem no ambiente de maneira agradável. Porém, é preciso muito cuidado para não tornar o espaço monótono e, para evitar isso, costumo usar do contraste. Mesmo entre os tons neutros, é possível imprimir contrastes significativos.
Gosto muito da mistura delicada de tons sóbrios como base para a composição do projeto, pois assim temos mais liberdade para usar cores mais intensas e exóticas, dando um toque final de mais personalidade e ousadia.
Para aqueles que adoram cor, pode-se usar em escala maior, como por exemplo, uma parede colorida, um tapete mais vibrante, um estofado estampado. E para aqueles que gostam, mas não querem abusar, indico utilizar cor nos detalhes mais flexíveis, como almofadas, uma lateral de cortina, um objeto decorativo na mesa central.
Neste outono/inverno, veremos como tendência os tons de vermelho ruborizados, tons terrosos e acinzentados. Estes tons quentes, como são chamados, normalmente traduzem luz e vivacidade ao ambiente. Já na paleta dos tons “frios”, veremos muito como tendência os tons de azuis, com um toque de verde, verde musgo e o azul-marinho, dando um ar mais pessoal e intimista ao espaço.
Mas tendências são apenas tendências. Ditam o que está no mercado, nas passarelas, nas lojas, na moda. O mais importante mesmo é o espaço transmitir algo que te preencha, que te faça mais feliz, que te faça sentir!
Na verdade, o que importa é que as cores despertem as nossas mais secretas sensações e preencham os nossos interiores, pois somente assim conquistamos a completude dos exteriores.
Afinal, numa folha qualquer podemos pintar um sol vermelho, ou quem sabe no pedacinho azul do papel descobrir pontinhos brancos da chuva...
 

Comentários