Revista Acontece Sul

Arquitetura - Torres de Madeira

Por Arquitetura - Thaïs Geremia em Arquitetura - sexta, 18 de novembro de 2016

Os “plyscrapers” arranha-céus e edifícios altos feitos com madeira laminada, começam a mudar a paisagem de algumas cidades do norte da Europa. Alguns já os consideram os arranha-céus do século XXI. Os plyscrapers (derivação da palavra Skyscraper utilizada em inglês para estes edifícios construídos com madeira laminada) trazem modernidade, elegância e sustentabilidade urbana.
É uma volta a natureza desde o asfalto mediante edifícios leves e mais respeitosos com o meio ambiente. O pai do movimento “Tall Wood” (madeira alta) é o arquiteto canadense Michael Green, cujo manifesto de 200 páginas “O caso dos edifícios altos, de madeira” publicado em 2013, está servindo de inspiração a urbanistas de todo o Mundo.
A maioria dos edifícios altos de todo o planeta são construídos com concreto e aço, dois materiais que têm servido bem o seu propósito. Entretanto, nesta época de mudança climática é obrigatório que revolucionemos nossa indústria da construção já que os estudos indicam que a produção de concreto representa 5% das emissões de Dióxido de Carbono, o gás de efeito estufa, explica Green.
A madeira é um material cálido e elemento natural para a construção com múltiplos benefícios. Apesar de ser leve, tem enorme capacidade para suportar peso, é estável e elástica ao mesmo tempo, oferece usos versáteis.
No momento, o campeão Europeu dos arranha-céus de madeira está na borda do fiorde Byfjordenem Bergen, uma cidade costeira da Noruega. O Treet (árvore) é um edifício de 14 pavimentos e 49 metros de altura, que terminou de ser construído no outono de 2015. Os 62 apartamentos que o compõe estão construídos com módulos de madeira laminada que, graças a sua densidade e tratamento apropriado se queimam muito lentamente em caso de incêndio. 
Além do mais, as placas levam um revestimento de verniz antifungos que as tornam mais resistentes ao fogo. Outras edificações com estas características estão a ponto de finalizar-se, como o Hohoem Viena, obra do estúdio de arquitetura Rüdiger Lainer. Terá uma altura de 84 metros e 75% dos materiais utilizados é madeira. Por fora lembra a crosta de uma árvore.
No entanto, o desenho mais impressionante até o momento está sendo desenvolvido por um grupo de escritórios de arquitetura em parceria com a Universidade de Cambridge.Trata-se de uma torre de 300  metros e 28 pavimentos que em um futuro próximo poderá receber até mil famílias, num bairro londrino de Barbican. Se o Oakhouse (casa de carvalho), como se chama o projeto, conseguir finalmente a aprovação, se converterá no edifício de madeira mais alto do mundo e no segundo arranha-céu mais elevado de Londres, depois do The Schard, que alcança os 308 metros.
Os “Plyscrapers” são interpretação urbana da Cabana em cima da árvore de nossa infância. Um pedaço de bosque em meio ao asfalto.

 

Comentários