Revista Acontece Sul

O DERRADEIRO PROJETO DE STEVE JOBS

Por Arquitetura - Thaïs Geremia em Arquitetura - tera, 19 de setembro de 2017

Émais ou menos como uma nave espacial pousada”. Foi com essas palavras que Steve Jobs tentou resumir, em 7 de junho de 2011 - coincidentemente a última aparição pública antes de sua morte - o projeto da nova sede da Apple. Tratava-se de uma reunião com a câmara de vereadores da cidade de Cupertino, no estado americano da Califórnia. A saúde de Jobs estava péssima, o câncer que o vitimaria alguns meses depois já ia em estado avançado. Mais magro, com a voz falhando ligeiramente, ele apresentou o projeto aos vereadores – o projeto que poderia reunir 12 mil funcionários da Apple em apenas um edifício. E sentenciou:
“Eu acho que nós temos uma chance real de construir a melhor sede empresarial do mundo”.
Batizado de Apple Park, o edifício começou a ser construído três anos mais tarde e abriu suas portas em abril deste ano. Com um custo estimado em cerca de cinco bilhões de dólares, está localizado em um terreno de 71 hectares, em um subúrbio no norte de Cupertino. A área toda parece um grande refúgio natural, com mais de 80% do espaço ocupado por vegetação. São 9 mil árvores de cerca de 300 espécies.    
Totalmente abastecido por energia solar, o Apple Park é construído com enormes placas de vidro recurvado, o que possibilita uma grande aproveitamento da luz natural. Com 461 metros de diâmetro, trata-se da maior instalação já construída a utilizar ventilação natural e pode funcionar durante nove meses do ano sem precisar de aquecimento ou de ar-condicionado. 
Embora a ideia geral da construção seja do próprio Steve Jobs, o design é de autoria de Norman Foster, um dos mais renomados arquitetos vivos. Conhecida pela imponência e inovação de suas criações, a Foster + Partners – como é chamada a empresa de Foster – é responsável por grandes projetos ao redor do mundo. Saíram de suas pranchetas, por exemplo, o Aeroporto Internacional de Hong Kong, a Prefeitura de Londres e a Faculdade de Direito de Cambridge, entre muitos outros.
O Apple Park foi a última grande obsessão de Steve Jobs e ocupou sua imaginação durante grande parte de seus dois últimos anos de vida. Uma obsessão cujo desfecho ele não estaria vivo para testemunhar. Mas mesmo a perspectiva da morte não foi forte o bastante para esmorecer o ímpeto e a tenacidade de um dos maiores empresários que o mundo já conheceu.  

 

Comentários