Revista Acontece Sul

Chegar aos 50 anos em boa forma física protege contra o câncer, diz estudo

em Beleza & Saúde - segunda, 10 de maro de 2014


 


Pesquisa aponta que quem tem um alto nível de condicionamento cardiovascular

tem um risco menor de ter câncer e morrer da doença

 

Um novo estudo oferece mais um motivo para investir no condicionamento físico: diminuir o risco de câncer.

Resultados de uma pesquisa com mais de 17 mil homens nos EUA apontam que quem tem um alto nível de condicionamento cardiovascular tem um risco menor de ter câncer e morrer da doença.

O benefício independe do IMC (Índice de Massa Corporal), isto é, uma pessoa magra que não se exercite tem um risco maior de ter câncer do que uma pessoa acima do peso que faça atividades físicas, de acordo com o trabalho apresentado no encontro anual da Asco (Sociedade Americana de Oncologia Clínica), em Chicago. Os resultados também levaram em conta tabagismo e idade.

Outros estudos já haviam mostrado que o condicionamento físico é mais importante do que o peso para prevenir doenças. Um deles, publicado no ano passado no "European Heart Journal", concluiu que obesos considerados saudáveis após exames tiveram um risco 38% menor do que os não saudáveis de morrer por qualquer causa.

 

Gordo ativo é tão saudável quando magro, dizem estudos

Na nova pesquisa, os participantes fizeram um teste de esforço na esteira, usado para prevero risco cardiovascular, por volta dos 50 anos.

Os pesquisadores seguiram os voluntários por cerca de 20 anos para ver quem desenvolveria câncer colorretal, de pulmão e próstata.

Nesse período, 2.885 homens receberam o diagnostico desses tumores, 347 morreram da doença e outros 159 morreram de problemas cardiovasculares.

Ao ligar os dados do teste de esforço com o diagnóstico de câncer, os pesquisadores concluíram que os participantes com maior nível de condicionamento tinham um risco 68% menor de ter câncer de pulmão e 38% menor de ter câncer colorretal do que os mais sedentários.

Não houve diferença no risco de desenvolver a doença na próstata.

Entre os que tiveram câncer, o bom condicionamento físico foi ligado a um risco menor de morte.

Para o oncologista Fábio Kater, responsável pelo centro de oncologia clínica do Hospital 9 de Julho e que participa da conferência, já se tinha uma ideia de que o exercício poderia ter esse efeito protetor - um estudo já havia mostrado que, entre as mulheres, o exercício ajuda a prevenir contra o câncer de mama.

"A pesquisa tem um peso grande pelo tamanho da amostra e tempo de seguimento.

Mudanças no estilo de vida podem ter um grande impacto a longo prazo."

Ainda é preciso investigar as razões por trás dessa ligação. A oncologista clínica Veridiana Pires de Camargo, do Hospital Sírio-Libanês, afirma que algumas hipóteses são a redução da inflamação e da gordura, a melhora da imunidade e até a liberação de endorfinas por causa dos e exercícios.

Mais exercícios, Menos câncer

Pesquisa liga atividade física a menor risco da doença

 Teste Inicial -  Mais de 17 mil homens com cerca de 50 anos fizeram testes ergométricos numa esteira. Com base em suas performances, eles foram divididos em diferentes grupos

Risco Reduzido - Entre os homens com os níveis altos de atividade física, o risco de ter câncer de pulmão foi reduzido em 68% e o de tumor colorretal, em 38% em relação aos mais sedentários

Acompanhamento - Os acompanhantes foram seguidos por 20 a 25 anos para ver quais desenvolveriam câncer colorretal, de pulmão e próstata - tumores mais comuns entre os homens dos Estados Unidos

Conclusão - A atividade física é um fator independente para reduzir o risco de câncer, mesmo levando em conta o peso, o tabagismo e a idade; isso pode se ser devido ao efeito dos exercícios sobre a imunidade e a inflamação

 

 

 

 

Comentários