Revista Acontece Sul

Saúde Fatima - Médicos ‘prescrevem’ livros para crianças com menos de três anos

em Beleza & Saúde - quinta, 08 de outubro de 2015


Mais do que diversão, a leitura de histórias para os filhos pequenos, especialmente os menores de três anos, agora é “prescrição” médica.

Uma nova recomendação da Academia Americana de Pediatria (APP) diz que os médicos devem orientar os pais a lerem em voz alta para os bebês como forma de estimular a linguagem, o desenvolvimento da alfabetização e o fortalecimento das relações afetivas entre eles.

A mesma orientação deverá ser seguida pelos médicos brasileiros, segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). “Nas consultas, é fundamental que se faça esse tipo de orientação aos pais. A leitura tem papel fundamental no aprendizado e é base para todos os conhecimentos”, diz Christian Muller, neuropediatra da SBP.

A ênfase dada às crianças pequenas (até três anos) tem uma explicação: os primeiros 36 meses de vida são cruciais para o desenvolvimento do cérebro e de habilidades como falar, aprender e pensar.

Para editar a nova política, a APP se baseou em estudos que demonstram que bebês e crianças pequenas expostos à leitura têm melhores competências linguísticas quando ingressam na escola.

No Brasil, mais da metade (56,5%) dos alunos com idade de oito anos chega à terceira série do ensino fundamental sem aprendizagem adequada para a leitura. E 70% não sabem escrever corretamente, segundo dados do Plano Nacional de Educação.

A médica Pamela High, uma das autoras do estudo que embasou as orientações da APP, afirma que levar os livros para a consulta permitirá que pediatras observem as habilidades motoras, a linguagem e a alfabetização da criança, além da interação entre ela e seus pais. “A leitura favorece o vínculo familiar. Pode ser a oportunidade de pais e filhos estarem juntos, sem compromissos ou o relógio delimitando tempo para as tarefas diárias”, diz Christian Muller.

 

Interação

 

Mas nem sempre é fácil prender a atenção das crianças pequenas apenas com a leitura em voz alta, observa a pediatra norte-americana Perri Klass. “Elas não se interessam por histórias longas. Logo se distraem porque têm um curto espaço de atenção.”

Diretora de um programa nos EUA que estimula os pais a lerem para os filhos pequenos, Klass diz que os adultos não devem se sentir frustrados se a criança se desinteressar e levar o livro à boca, por exemplo. “É assim que elas exploram o mundo.”

Segundo a doutora em educação pela PUC-SP Maria Alice de Rezende Proença, professora do Instituto Singularidades, é importante que os bebês folheiem livros e os percebam como fontes prazerosas de informação.

“O adulto deve brincar com a voz, com os gestos e as expressões faciais e corporais. Ler histórias tem que ser prazeroso para ele também”, diz.

Na casa da ginecologista Flávia Maciel de Aguiar, 37, mãe de Rodrigo, dois anos, e de Bianca, de seis meses, a hora da leitura é garantia de diversão. “A gente canta, faz um teatro mesmo. E o Rodriguinho reage com cara de medo, de susto, de alegria.”

O menino também manuseia os livros e interage com as figuras. “Lia histórias para ele desde a gestação. Espero que esse prazer continue quando ele puder fazer suas próprias escolhas”, afirma.

Esse também é o desejo de Mariana Viveiros, mãe de Alice, dois anos. Ela conta que ler histórias para a filha desde “bem bebezinha” não só ajudou na aquisição da linguagem como os livros se tornaram os brinquedos favoritos dela. “Pelo menos até o momento.”

Segundo a professora Maria Alice, quanto mais cedo a criança for exposta a variados tipos de leitura, maior será o seu vocabulário e as chances de escrever com uma linguagem mais rica.

A questão é: na vida prática, com as consultas médicas cada vez mais curtas, haverá tempo e disposição do pediatra para conversar com os pais sobre a importância de ler histórias para os filhos?

Christian Muller, da SBP, diz que sim. “Eles devem persistir nisso, independentemente de qualquer dificuldade de tempo que a rotina diária possa gerar.”

 

Comentários