Revista Acontece Sul

Amarok, a Pick-Up Média da VW

Por Editor Chefe e produtor do Caderno Carros & Cia - Paulo Rodrigues em Carros & Cia - quinta, 11 de fevereiro de 2010

Marcelo F. Rodrigues – De Bariloche, Argentina
Com a apresentação à imprensa internacional da nova Amarok, na Argentina, a Volkswagen deu início à fase de lançamento comercial da pick-up. O motor TDI biturbo de última geração com sistema de injeção direta de combustível, estabelece novos padrões no que se refere ao consumo. Quanto à segurança, bem como ao conforto, a nova pick-up apresenta níveis até agora só encontrados em automóveis de passageiros. Ao mesmo tempo, a Amarok é extremamente robusta.
Muitas das tecnologias utilizadas na Amarok são absolutamente novas no segmento das pick-ups médias como, por exemplo, a tecnologia biturbo. Também no que diz respeito ao espaço da cabine, à largura e altura da caçamba, bem como à facilidade e capacidade de carregamento, oferece o que há de melhor em seu segmento.
A pick-up da Volkswagen foi lançada internacionalmente na versão de cabine dupla (DoubleCab) com quatro portas, que oferece amplo espaço para cinco ocupantes adultos. A versão com cabine simples (SingleCab), com duas portas e caçamba mais longa, estará disponível no primeiro semestre de 2011.
O conceito e o estilo da Amarok são nitidamente marcados pelo novo DNA de design da Volkswagen, refletido, sobretudo, no destaque das linhas horizontais, na clara definição das superfícies da carroceria e na alta precisão na montagem. O conjunto composto pelos faróis horizontais e a grade do radiador, com aletas e frisos decorativos, é uma das características mais marcantes da pick-up. Os vidros laterais são envolvidos por uma linha que começa na parte frontal e passa pelos contornos dos paralamas. A convexidade bem pronunciada das áreas laterais e do capô reforçam o aspecto de robustez típico das pick-ups.
Motor TDI de
última geração
Ela vem equipada com um motor de alta tecnologia: o TDI de 2,0 litros, 4 cilindros e 16 válvulas, com 163 cv, dotado de sistema de injeção direta common-rail e alimentado por dois turbocompressores, com torque máximo de 40,7 kgfm a apenas 1.500 rpm. Toda esta força não compromete o consumo médio, de 7,6 litros de diesel por 100 quilômetros rodados - 13,1 km/l (em 4x2).
Esta motorização traz o conceito de “downsizing” com motores de baixa cilindrada mas com alta potência e torque. Com autonomia próxima de 1000 quilômetros, graças ao consumo médio reduzido, o abastecimento é realizado com muito menos frequência que o normal.

Comentários