Revista Acontece Sul

Uma Nova Solução para o Transporte Urbano

Por Editor Chefe e produtor do Caderno Carros & Cia - Paulo Rodrigues em Carros & Cia - quarta, 07 de abril de 2010

A Ford lançou a Transit Chassi, versão que amplia a linha de vans e furgões
Além de contar com todas as vantagens já conhecidas da Transit, de desempenho, economia, segurança e tecnologia, o modelo representa uma nova solução para o transporte de cargas urbanas volumosas. Oferece facilidade para a instalação de implementos e pode comportar baú de até 20,3 m3, com o melhor aproveitamento de espaço da categoria.
A Ford Transit vendida no Brasil tem a mesma configuração da versão encontrada na Europa, onde é líder de mercado há mais de quatro décadas. Ao lado da van de passageiros e dos furgões curto ou longo, a nova versão chassi vem atender o crescente mercado de veículos comerciais leves de uso urbano com perfil adequado para trafegar nas zonas de restrição ao uso de caminhões.
Como as demais versões da linha, a Transit Chassi é equipada com o motor Ford Duratorq 2.4, com 310 Nm (@ 1.750–2.000 rpm e potência de 115 cv). Além de transportar uma carga útil de 1.696 kg, oferece uma das maiores capacidades volumétricas do segmento. Essa vantagem deve-se ao fato de ter a maior distância entre-eixos, de 3.954 mm, espelhos com hastes estendidas que garantem a visibilidade mesmo com implementos mais largos, e para-choque e lanternas que comportam implementos com balanço traseiro maior. O peso bruto total homologado de 3.500 kg permite que o veículo seja conduzido por motoristas com habilitação B. O conjunto trem de força tem capacidade máxima de tração de 6.000kg.
Manutenção econômica
Seu projeto, aperfeiçoado em mais de 40 anos de uso na Europa, segue os melhores padrões de qualidade e engenharia para garantir confiabilidade de operação e alta durabilidade, que se traduzem em economia para o transportador.
Além do baixo consumo de combustível, ela tem a cesta básica de peças mais barata da categoria comprovada por levantamentos da Anfavea e do Cesvi, com diferenças que chegam a 34,5% e 42%, respectivamente, em relação aos concorrentes.
 

Comentários