Revista Acontece Sul

Os acordes da Educação Musical

em Cidade - quarta, 02 de outubro de 2013

Ela está presente em casa, no trabalho, nas lojas, nos bares, nos consultórios médicos, nos recreios escolares. A música faz parte da nossa vida. O próprio nascimento da Universidade de Caxias do Sul tem música. Em 1967, a Escola Municipal de Belas Artes, que tinha a missão de divulgar as artes plásticas e musicais, foi uma das instituições que deu origem à UCS. Mais de 46 anos depois, a Universidade mantém vínculos com a arte musical. Contato alimentado no Centro de Artes e Arquitetura da Instituição. É por lá que funciona a Escola de Música UCS/LionsEduC, a Orquestra Sinfônica e o curso de Licenciatura em Música.
A musicalização contribui para o desenvolvimento cognitivo, linguístico, psicomotor e socioafetivo do aluno. E, partindo dessa premissa, desde 2011, as escolas brasileiras devem incluir o ensino de música em suas grades curriculares. Nesse novo cenário, a formação de professores qualificados para atuar no processo de ensino e aprendizagem musical tornou-se indispensável. A UCS possui a oferta do curso de Licenciatura em Música, em Caxias do Sul.
O acadêmico Eduardo Reis Soares, 21 anos, é um dos 121 alunos matriculados no curso. Ele passa o dia envolvido com o trabalho e os estudos no Centro de Artes e Arquitetura. Além de cursar Música – Licenciatura, ele é arquivista da Orquestra Sinfônica da UCS. Ele cuida do arquivo em geral, prepara a parte que cada músico irá tocar nos concertos. Eduardo também é responsável por extrair, algumas vezes, a música da partitura para passar ao computador, podendo assim entregá-la aos músicos.
O gosto pelo piano, desde os 10 anos de idade, não o fez optar, inicialmente, por um curso na área de artes. Eduardo, dos 15 aos 20 anos, esteve envolvido com as áreas de engenharia e tecnologia, realizando cursos de mecânico em manutenção de máquinas industriais e automação industrial. Tanto que iniciou o curso de Engenharia Mecânica e, em uma empresa, estagiou no laboratório de testes. Mas, a música tocou mais alto no seu coração. “Por acreditar que se deva gostar de verdade da área em que se pretende trabalhar, fazendo do trabalho uma coisa boa e leve, e não um fardo, onde você torce para que o relógio corra mais rápido para sair o quanto antes, resolvi seguir somente com a música”, conta.
A música, na opinião de Eduardo, é ótima para desenvolver a concentração, a atenção, a paciência. “Não gosto de resumir a música ao que ela pode nos ajudar a desenvolver em questão de qualidades e habilidades. Isso é apenas uma consequência. A própria música já é uma formação em si mesma para o cidadão”. Essa capacidade de formar cidadão poderá ser levada para a sala de aula.
Eduardo ressalta que o que mais gosta na música é o fato de poder criar, “de sempre poder fazer algo novo. A música pode ser improvisada, espontânea. Gosto do fato de que podemos trabalhar com a música de qualquer maneira, e qualquer pessoa pode se identificar e interagir com ela.” 
O piano é ainda o instrumento musical que mais lhe agrada e praticado nas horas vagas: “ele dá possibilidades diferentes de execução e de didática”, conclui.
 
A música como profissão
O violino não foi o instrumento escolhido por Rodrigo Duarte Maciel, 26 anos, quando era criança. Suas primeiras notas saíam das teclas de um piano. Aos 12, ele resolveu mudar e trocou as teclas pelas cordas. Seguiu para o violino, impulsionado por uma bolsa para estudar na Sociedade de Cultura Musical, entidade que daria origem à Orquestra Sinfônica da UCS.
Daí para a frente, a caminhada de Rodrigo foi guiada pelo som de muitos acordes. Mas a profissão musical não era, até então, o destino do jovem. Foi um convite especial que o fez mudar de ideia. “Estava pronto para ingressar num curso técnico na área de metalurgia. Aí veio um convite da Orquestra Sinfônica da UCS para eu realizar algumas participações em concertos e segui um outro rumo.”
Apesar da dúvida do começo do trajeto, hoje já não restam mais incertezas. “Quando perguntam qual é a minha profissão, respondo: músico, com muito orgulho".
Orquestrando a região
Com a apresentação da “Sinfonia nº 40”, do compositor Wolfgang Amadeus Mozart, a Orquestra Sinfônica da UCS iniciou suas atividades em 22 de novembro de 2001,  contribuindo para a construção de uma sociedade que valoriza a cultura musical.
Hoje, a Orquestra mantém sete programas de disseminação da música erudita, que somam cerca de 770 apresentações realizadas em Caxias do Sul e na região, para um público de mais de 380 mil espectadores. A Orquestra é composta por 41 músicos que atuam sob a regência de Manfredo Schmiedt, maestro principal e diretor artístico da Orquestra desde 2003. A Osucs conta com o patrocínio da Unimed Nordeste-RS e com o apoio do LionsEduC, do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul (Simecs) e do Personal Royal Hotel.
 

Comentários