Revista Acontece Sul

Amizade e Companherismo - (2)

Por Crônica - Pedro Fattori em Diversos - tera, 17 de julho de 2012

Na vida tudo é relativo.
Um fio de cabelo na cabeça
é pouco; na sopa, é muito!

Neste mês da amizade quem sabe o que é ser amigo, sofre com isso, porque não tem com quem contar e tem que aprender a viver cada vez mais só porque sua forma de ser amigo é incompreendida. As pessoas não gostam de ouvir a verdade e preferem ser bajuladas ao invés de  entender como forma de ajuda, a verdade ou o conselho passam a magoar. Hoje, ser amigo é dar tudo sem nunca receber nada em troca, nem sequer compreensão. Talvez amizade tenha desaparecido da relação humana, já que as sociedades cada vez mais tendem a tornar-se mais individualistas. Mas há muito se tem dito que o amor acabou que a amizade inexiste que a saudade é coisa do passado. Mas esses sentimentos são eternos, estão aí até hoje.
Existem dois planos: a amizade em termos comunitários e a amizade como sentimento próprio e natural de cada um partindo de um princípio antigo de que o homem é gregário por natureza.
Ninguém é uma ilha; estamos aqui casando e recasando, formando e desfazendo grupos, procurando gente até o final da vida, para provar isso. Ninguém sobrevive isoladamente e sendo a amizade um sentimento que mais se aproxima do amor, porque é também amor em outro nível ela vai durar.
Para muitos a amizade é ilha dentro de uma porção de coisas. Todas têm personalidades diferentes do comum. Amizade é uma coisa muito boa e rara. Existe hoje, pouco, mas existe. Podem-se levar anos sem ver amigos e amigas, sem procurá-los ou eles a nós, mas seremos sempre os mesmos no momento do encontro, se formos fieis à nossa amizade, bem entendido. Todos são realmente amigos. Quando nos encontramos, é como se retomássemos o fio de uma conversa do dia anterior. Além de tudo amizade é também para se dizer tudo o que se pensa à pessoa. Na amizade acima de tudo, deve existir sinceridade.
É verdade que nem sempre se encontra amigos nas amizades e colegas nas relações. Prevalece quase sempre um faz de conta que é meu amigo e eu faço de contar que acredito ou em algum momento da trajetória, tardiamente se descobre que aqueles que pareciam muito chegados, honestos e sinceros, desempenhavam desinteressadamente figuração.   
A vida é assim. Cada um tem um destino e acaba seguindo para seu lado. Antigamente, amizade era algo diferente. Ou não?
 

Comentários