Revista Acontece Sul

GATOS - Espertos, carinhosos e dengosos

em Diversos - sexta, 11 de setembro de 2015


Que existem  mais cachorros nos lares brasileiros do que crianças, o IBGE já comprovou. Mas e os gatos?

Sabe-se que muitos também adoram ter esse bichano por peto. O mimoso faz parte de muitas famílias, mas não chega a tanto quanto os cães e as crianças. Então, vamos a eles: segundo ainda o IBGE, em 17% das casas brasileiras vive um gato de estimação. Outro dado bastante interessante: existem mais de dez milhões de vídeos dos felinos nas redes sociais. É mais uma prova do gosto das pessoas pelo bichinho.

Discretos, eles têm um jeito delicado de se comunicar: é o ‘rom-rom’, o barulhinho do ar passando pelos músculos da garganta. É um som de prazer: estudos mostraram que a vibração do ‘rom-rom’ é parecida com a vibração do aparelho de ultrassom usado em tratamentos de fisioterapia. Tem um efeito relaxante. Ou seja: se o gato tá ronronando, é porque está tranquilo.

A fofura dos gatos é muitas vezes uma estratégia de sobrevivência. Os pesquisadores identificaram também um segundo tipo de ‘rom-rom’, mais agudo, e comum apenas entre os gatos domesticados. Nesse caso, a mensagem é uma só: ‘Ei, seu, cuida de mim! Dá comida! Dá carinho!’ Me olha, tchê !!!!

 


Convivência

Segundo estudos e pesquisas, gatos convivem com humanos há nove mil anos. Nesse tempo, assimilaram o jeito como as crianças se comunicam com os adultos.

A lógica seria mais ou menos assim: se os bichos pequenos falam fininho e conseguem tudo dos bichos grandes, vou fazer igual. Então, a fofura tem explicação científica: é que os gatos acionam nosso senso de proteção. E dá certo.

Voz fina nem sempre significa charminho. O minúsculo sapo do deserto é do tamanho de uma noz. Vive na África do Sul. Ele costuma soltar um grito de guerra para mostrar que está muito bravo. Funciona como uma ameaça para um invasor que ouse se aproximar. É melhor nem chegar perto.

Quem tem um gato sabe e não duvida de que eles amam seus donos incondicionalmente, ainda que nem sempre saibamos identificar como eles nos mostram esse amor.

 

Preferência por elas

Aparentemente os gatos preferem as mulheres aos homens. O relacionamento entre gato e dono é mais profundo do que imaginamos. Para reunir os dados necessários para o estudo, os donos e seus gatos foram submetidos a testes para identificar alguns traços importantes de sua personalidade e em seguida foram gravadas 41 interações entre eles.

Dentre as descobertas dos pesquisadores, destaca-se o fato de que o comportamento dos gatos e de seus donos é influenciado uns pelos outros.

Nesse sentido, o estudo apontou que alguns gatos que tinham mulheres mais expansivas como donas precisavam de sinais bastante sutis, como um simples eriçar da cauda, para mostrar para suas donas que eles desejavam se aproximar delas naquele momento. E foram além ao afirmar que isso provavelmente estava associado ao histórico do relacionamento que as donas tinham com seus gatos.

Aliás, o estudo apontou uma tendência: os gatos se aproximaram das donas que eram mulheres mais frequentemente do que os gatos que tinham homens como donos, sendo que os gatos que tinham donas eram os responsáveis por iniciar o contato mais vezes do que os que tinham donos.

Os pesquisadores apresentaram que os gatos tendem a lembrar momentos passados de carinhos e afagos e a retribuir esse favor mais tarde, algo que acontecia mais frequentemente com mulheres. Aliás, o estudo atestou que se os donos aceitassem os desejos dos gatos de interagir, os gatos provavelmente iriam também aceitar esse desejo dos donos no futuro.

A co-autora do estudo, Dorothy Gracey, explica um pouco mais desse comportamento: “O relacionamento entre um gato e um humano pode envolver atração mútua, compatibilidade de personalidade, facilidade de interação, brincadeira, afeto e apoio social. O humano e seu gato podem mutuamente desenvolver interações ritualizadas que mostram uma compreensão substancial e mútua das inclinações e preferências de cada um.”

Os gatos são apaixonados pelos donos e demonstram esse carinho de diversas formas, dentre elas copiar a rotina diária do dono e passar o dia reservando sua energia para brincar quando o dono chegar em casa.  Mas ainda assim, o comportamento do gato se intensifica quando seu dono é uma mulher.

 

Com as donas

O estudo revela que o motivo que faz com que os gatos estejam mais próximos das mulheres é que elas interagem com os seus gatos – sejam eles machos ou fêmeas – mais do que os homens e, além disso, de uma maneira mais carinhosa.  Sendo assim, elas têm frequentemente um relacionamento mais intenso com os seus gatos em comparação aos homens.

Por conta disso, os gatos também se aproximam mais de suas donas e tomam a iniciativa mais vezes de entrar contato, através de tentativas de comunicação e ações como pular no colo.

 

Como um bebê

Assim como acontece com bebês, que através do choro sinalizam para sua mãe quando querem comer e receber colo, o gato, por meio do seu miado e linguagem corporal, comunica frequentemente para a sua dona quando ele quer receber carinho e se alimentar.  Similarmente, a comida serve, em ambos os casos, como a principal forma da “mãe” mostrar carinho e atenção ao seu “filho.”

A comunicação entre gatos e seus donos é tão forte que ambos conseguem expressar a sua necessidade de dar e receber carinho e atenção, além de compreender a necessidade do outro. Aliás, os pesquisadores concluíram que gatos e os seus donos são altamente influenciados um pelo outro.

Por exemplo, quando o gato está no colo de sua dona, ele, por vezes, começa a agir como um bebê. Paralelamente, a dona tende a agir como uma mãe, que conversa com o filho e oferece calor e conforto da melhor forma possível. Essa comunicação é intensificada com mulheres extrovertidas e gatos novos e ativos. Nesses casos, os gatos precisavam apenas dar dicas sutis para serem compreendidos.

 

Como os bichanos enxergam seus donos

Gatos se relacionam com humanos como parceiros sociais. Aliás, os gatos enxergam os seus donos como gatos gigantes, e não como membros de uma espécie diferente. Eles lembram da bondade dos seus donos e a retornam no futuro.

Por isso, por mais que a pesquisa aponte que os gatos em geral tendem a preferir as mulheres, fica pontuado também que qualquer pessoa pode ter o amor do gato, seja homem ou mulher, desde que demonstre e corresponda o afeto ao seu gato da maneira correta. Dê comida para o seu gato ou faça um carinho quando ele te pedir e você tem grande chance de ter esse agrado correspondido em um outro momento. Tente. O resultado vai surpreender.


 

Comentários