Revista Acontece Sul

TURISMO - Punta del Este para todos

Por Sem colunista em Diversos - quinta, 11 de fevereiro de 2016

Punta del Este é o mais badalado dos balneários do Uruguai. No verão, é invadido por argentinos e, ultimamente, também por brasileiros (além dos gaúchos, que já freqüentam o lugar há décadas). Fica a 120 km de Montevidéu, por estrada duplicada (e de velocidade controlada; vai-se em uma hora e meia desde o centro, ou uma hora desde o aeroporto da capital).
Punta del Este é provavelmente o destino uruguaio mais desejado pelos brasileiros. O nome significa “Ponta do Leste” e descreve a situação exata do lugar: na extremidade oriental do Uruguai. A pontinha da península marca a divisão entre o Oceano Atlântico (o mar aberto) e o Rio da Prata (a baía).

 

Turismo - Ao contrário da lenda, não é só ricaço que vai lá. O público é bastante eclético. O grosso da população na temporada é composto por famílias de classe média sólida que vão veranear, em apartamentos próprios ou alugados, fazendo compras no supermercado e levando geladeirinha para a beira da praia.

Mas a fama de ímã de ricos, famosos e metidos em geral não é descabida. Basta passar em frente aos novos edifícios da orla da Playa Brava ou se embrenhar pelas ruas do Bosque e de Beverly Hills para ver o dinheiro respeitável que está enterrado por ali. Outro indicador preciso do PIB do pedaço são as contas dos restaurantes, que conseguem ser mais altas do que em São Paulo.
Outro público importante na temporada, e que ajuda a definir a personalidade de Punta, é a moçada baladeira. Punta del Este no verão é uma festa que começa ao entardecer na praia e segue madrugada afora nos clubes.

 

O verão - Punta del Este só acontece de verdade entre o Natal e o Carnaval. É quando a cidade inteira está funcionando. O top do cúmulo do auge é em janeiro/fevereiro, quando a cidade fica abarrotada, e os engarrafamentos em La Barra não ficam nada a dever aos de Florianópolis. Querendo curtir uma Punta del Este menos cheia, mas ainda positiva e operante, vá em março. Na Semana Santa a cidade volta a encher mas sem agito na praia nem nas baladas.

 

Fora de temporada - Nos demais períodos do ano Punta é vazia e levemente melancólica, como todo balneário de clima temperado na baixa estação. Fora da Península (o Centro), a maioria dos hotéis e restaurantes estará fechada. Também não espere agito em meses temperados fora da estação - março, abril, maio, setembro, outubro, novembro, início de dezembro. Ao visitante sobram, nesta época, um passeio pelo bairro das mansões, uma foto na escultura dos cinco dedos enterrados na praia, um pôr do sol na Casa Pueblo e a jogatina no cassino do hotel Conrad. Mas a eletricidade que faz Punta ser Punta estará desligada.

 

Praia - Só é melhor do que a que você tem perto de casa se você morar na Argentina ou no Rio Grande do Sul. A água é fria e turva (o lado mais azulzinho é o da praia Mansa, na baía do Rio da Prata). Os pontos mais positivos são a limpeza, a organização (algumas tem quiosques bem charmosinhos) e o verão relativamente seco, com sol até tardíssimo (não é incomum ir à praia às cinco para ficar até as nove da “tarde”).

 

Punta del Este de carro - Há ônibus entre a Península e La Barra, mas a vida dos sem-carro em Punta del Este é bastante complicada. O táxi é caro (e, na temporada, cobra as corridas em dobro, incluindo a volta vazio). Na temporada, reserve o seu carro o quanto antes, seja em Punta, seja em Montevidéu.

 

Punta Ballena, a outra ponta - Continuando pela Mansa em direção a Montevidéu você chega à Punta Ballena. Nenhum turista passa por Punta sem dar um pulinho na Casa Pueblo, construída pelo artista Carlos Villaró e que funciona como galeria, hotel e mirante para ver o pôr do sol. É o Corcovado e o Pão de Açúcar de Punta. 
A região tem também um hotel chiquérrimo, o Cumbres. Vale a pena fazer uma reserva para o chá da tarde e ficar para o pôr do sol.

 

La Barra, o agito do verão - Continuando pela Brava na direção oposta a Montevidéu você chega ao rio Maldonado. Do outro lado da ponte ondulada está La Barra. No verão, este é o playground da garotada em Punta. Ali ficam as praias mais escondidinhas (Playa de la Posta, por exemplo) e as mais fervidonas (Montoya, Bikini), além das baladinhas mais descoladas. A ruazinha principal, engarrafada o verão inteiro, tem cafés, sorveterias, restaurantes 
Continuando para além de La Barra, a 40 km para lá do centrinho de Punta del Este você chega a José Ignacio, que é  “a Trancoso de Punta”. Os hotéis aqui são discretos e com ares zen. 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários